quarta-feira, 21 de abril de 2010

O mês de Fevereiro no século XV


O realismo de algumas imagens deixadas pelos artistas da Idade Média pode ser tão descritivo como os documentos escritos em que encontramos a vida quotidiana desse tempo. Referimo-nos particularmente às iluminuras das Très Riches Heures du Duc de Berry (1413-1416), da autoria dos irmãos Limbourg. Trata-se de um livro de horas, muito ricamente concebido, já que era para uso ou deleite de um homem dito importante. “Designavam-se por êste nome uns livros para uso dos fiéis, contendo um calendário, os ofícios da missa e as vésperas, os ofícios dos diferentes santos, entre os quais os dos santos protectores do possuïdor, sendo, por isso, além do alto valor artístico que alguns destes preciosos códices em pergaminho, iluminados, tiveram como subsídio para a história da arte, valiosas fontes de informação para a biografia das notáveis individualidades que os mandavam fazer. (...) As horas que deram o nome a êstes livros eram as chamadas horas canónicas, segundo o som das badaladas do sino que anunciava a celebração do ofício”[1]. O livro de horas em questão foi feito particularmente para o Duque de Berry (1340-1416). Chamava-se ele Jean de France, era filho de Jean II, le Bom, irmão do Rei Charles V (1338-1380) e foi um importante mecenas do seu tempo. Os autores das gravuras foram os irmãos Pol, Herman e Jou Limbourg, três artistas de origem flamenga que se estabeleceram em França[2] e que trabalharam na corte do Duque; terão falecido em data desconhecida, mas anterior e próxima de 1416.[3] As gravuras do calendário das Très Riches Heures acompanham o Homem Medieval através do ano e mostram as actividades ligadas a cada época. “Assim a iluminura de Fevereiro [reproduzida junto deste texto], a mais antiga paisagem de neve na história da arte ocidental[4], dá-nos uma imagem lírica e encantadora da vida de aldeia no pico do Inverno, com as ovelhas no redil, as aves esfomeadas esgravatando na eira e uma criada aquecendo as mãos com o bafo, enquanto vai correndo para junto das companheiras à lareira (a parede da frente foi suprimida para benefício do contemplador); a meia distância um aldeão corta lenha para o lume e outro conduz um burro carregado para a povoação ao longe.”[5] Sobre esta época do ano, diz G. D’Haucourt: “Fevereiro, mês do frio, da neve e da chuva. Os calendários mostram-nos o vilão, sentado ao lume, na lareira bem abrigada, decorada com presuntos e chouriças. No Dia na Candelária traziam da igreja o círio bento, cuidadosamente reservado para acender em caso de perigo ou à cabeceira dos moribundos. Também esta festa era, em muitas regiões, época de pagamentos; celebravam-na fazendo filhós. Mais cedo ou mais tarde, conforme o ano, chegava a Quaresma”.[6]

Notas:
(A imagem das Très Riches Heures acima reproduzida vem de André Lagarde e Laurent Michard, Moyen Âge, Paris, Bordas, 1967, p.98.)
[1] Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, vol.13, Lisboa - Rio de Janeiro, Editorial Enciclopédia Limitada, s.d., p.373, s.v. “Hora (Livros de Horas)”.
[2] H. W. Janson, História da Arte, 6ª edição, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1998, p.357.
[3] Lexicoteca – Moderna Enciclopédia Universal, dir. e coord. de Leonel Moreira de Oliveira, vol.XII, Círculo de Leitores, 1986, p.27, s.v. “Limbourg, irmãos.”.
[4] Destaque nosso.
[5] H. W. Janson, ibidem.
[6] Geneviève d’Haucourt, A Vida na Idade Média, Lisboa, Livros do Brasil, s.d., p.82.

2 comentários:

Leca disse...

Adorei a história de...Fevereiro...
parabéns...a imagem é linda
beijos
Leca

Luís Henriques disse...

Agradecemos o seu comentário tão simpático, Leca, e esperamos que continue a visitar-nos.